21 de dezembro de 2007

CPMF

Ainda que um pouco atrasado, afinal de contas a CPMF foi encerrada no senado, não poderia deixar de expor minha opinião. Ao contrário do que todos pensam, eu não era e continuo não sendo favorável à extinção da CPMF. (Já posso imaginar a cara que vocês leitores estão fazendo... hehe)


Mas calma! Não enlouqueci, nem fui comprado pelo presidente! Minha humilde opinião é baseada em argumentos ponderados. Não compartilho da corrente do Presidente Lula, que alega a CPMF ser um imposto que só incide sobre os abonados. Todos nós acabamos realizando transferências financeiras, porém os campeões nesta modalidade são especuladores e investidores de grande porte. Vejam bem, não sou contra a mobilidade de capital, e muito menos contra mercado de ações, fundos de investimento e outrem. Mas seria tolice sustentar que miseráveis ou simples trabalhadores movimentem volumes financeiros tão grandes quanto a nata da burguesia.


Ok, essa última parte soou como expelida por um membro do PCO ou do PSTU (não era a intenção). O verdadeiro problema da carga tributária nacional não é/era a CPMF, e sim o conjunto de impostos e taxas que asfixiam a economia tupiniquim. Sou radicalmente contra a política fiscal praticada no País, e não penso em outra alternativa que não uma pesada reforma tributária para fazer o País se desenvolver (e não esse lixo de PAC, fala sério). Paralelamente e tão importante quanto é abolir a fixação em crescer. Crescer como um monstro desproporcional e recheado de desigualdades é tão ruim ou pior do que continuar pequeno. o Brasil precisa se desenvolver, mesmo que em ritmo contido, mas de forma equilibrada e com visão de longo prazo.


Assim como o imposto de renda, a CPMF obedece a proporcionalidade financeira, seja de ganhos ou de movimentações, sendo cobrada de forma eficiente (reduzindo a sonegação) direto na fonte, diferente das cascatas tributárias que temos por ai, onde produtos manufaturados chegam a ter 50% de seu preço final destinado à fazenda. Me pergunto como um País com pretensões de modernização pode cobrar impostos altos como o faz com produtos de informática...

O Autor se revolta com a concentração de impostos nas mãos da União, quando quem oferece serviços como segurança e EDUCAÇÃO (alô presidente!!! ops, esqueci que pra ler o blog tem que saber ligar um pc... e saber LER) são os Estados, estrangulados como estão...

3 comentários:

Luiz disse...

Concordo contigo meu..ainda mais que a cpmf era pra saude...e nunca o fora...ma ai é outra história...
cpmf ainda é como os bancos cruzam mesmo quem nao está declarando altas movimentaçoes na sua conta.
ISSQN, COFINS, CS..tudo muito pior que a cpmf...
abrasss

Gunnar disse...

concordo plenamente e ainda penso que esta votação foi só pra oposição encher o saco do lula..


(demoro mas veio)

abs

冬天。。。 disse...

Milagre, milagre!!! um comentário do Matheus!!! meu presente de natal! agora só falta a Pamela me perdoar e deixar um comentário, hehehe valeu! (já estava achando que tu não foste comentar só pq teu lance é metal! hehe)