20 de fevereiro de 2008

Cybersex

Humanos poderão fazer sexo com robôs ainda neste século, diz autor

da France Presse, em Paris 14/02/2008 - 16h29

Em meados deste século, fazer sexo com uma mulher fatal eletrônica ou com um robô superdotado e conversar com o parceiro depois não é uma idéia tão despropositada como pode parecer. Assim pensa David Levy, autor de "Sexo com os Robôs: a Evolução das Relações entre Humanos e Robôs". "Imaginem: sexo à vontade, as 24 horas, os sete dias!" da semana, anima-se o autor. Nem todos, no entanto, compartilham esta visão de um futuro na qual os humanóides seriam fonte de prazer.

Robô humanóide Asimo, que "trabalha "em escritórios da Honda; humanóides passarão a desempenhar funções sexuais, diz autor

Muitos acham que isso é factível, levando-se em conta os progressos realizados na reprodução dos músculos e dos movimentos humanos, ou na inteligência artificial --concretamente na imitação de emoções e de aspectos da personalidade. Em novembro passado, os pesquisadores da Universidade de Waseda, no Japão, apresentaram um robô que sabe cozinhar e utilizar suas mãos suaves, banhadas em silicone para interagir com os humanos.Segundo Levy, o robô sexual Gigolo Joe, vivido por Jude Law no cinema e criado para dar um auxílio emocional, além de prazer sexual, poderá se tornar algo real em menos de 40 anos.

Outros especialistas são céticos. "Não acho que possamos ter robôs 'parecidos com os humanos' nesse período de tempo", considera Frédéric Kaplan, pesquisador da Escola Politécnica Federal de Lausane (Suíça). Kaplan, programador do cérebro do cãozinho robótico da Sony Aibo, se pergunta se verdadeiramente queremos robôs à nossa imagem e semelhança. "As interações entre máquinas e humanos serão interessantes em si mesmas, não em termos de simulações de relações humanas", disse.

Sensibilidade

Uma empresa japonesa, a Axis, já fabricou aqueles que poderiam ser considerados os primeiros robôs sexuais. Eles se chamam Honeydolls e são bonecas de resina e silicone em tamanho real equipadas em cada seio com sensores conectados a um som. Se o "usuário" beliscar seus mamilos, um modelo chamado Cindy dá gritos de prazer e sussurra palavras melosas ao pé do ouvido.As mulheres também se deixarão tentar pelos robôs sexuais, considera Levy. Ele afirma acreditar firmemente no aumento das vendas de massagens vibratórias no mundo inteiro e na queda de tabus.

O que para Levy representa uma vida sexual desenfreada sem sentimento de culpa e livre do contágio de doenças sexualmente transmissíveis significa para outros um pesadelo desesperador. "Parece descabido pensar que seres humanos vão se relacionar com robôs", afirma a sexóloga americana Yvonne K. Fulbright, embora reconheça que os robôs sexuais têm lugar no mercado.

"Há um verdadeiro problema com os robôs sexuais: as pessoas se sentirão fracassadas se esta for sua única solução", adianta.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u372418.shtml

..........................................................................................................................

Na realidade não decidi postar sobre esta notícia por achá-la surpreendente nem chocante. Postei motivado pela minha indignação com alguns tabus que vejo na sociedade. Mesmo pessoas que admiro ou respeito tem receio em falar sobre tópicos relacionados à "troca de fluídos". Pelos deuses, falar sobre sexo não é sinônimo de invasão de privacidade! Só porque um debate envolve prazer ou libido não quer dizer que há necessidade de exposição do lado íntimo ou de privacidade.

Feito o desabafo, não vejo nada de errado na idéia do sexo com robôs. Tecnicamente não passa de "masturbação sofisticada". Uma dama que faz uso de recursos eletrônicos como vibradores, ou mesmo do moleque que pratica o 5x1 estão apenas defasados em relação à idéia. "Oh! ele falou em masturbação, heresia!!!" sei que ninguém vai comentar no post por conta disso, mas também que dane-se, depois faço um tópico sobre os Teletubies e me "redimo".

Na verdade o que me surpreende, talvez nem tanto, seja o quanto estamos próximos de viver o Império das máquinas. Não sou um lunático fanático por Exterminador do Futuro, mas como o visionário que me considero (humildemente... hehe) é claro para mim que no futuro a humanidade será substituída por uma raça híbrida de cyber-humanos geneticamente aprimorados e posteriormente extinta.

O Autor reconhece a importância de uma eventual polêmica, e espera não ter ofendido nem chocado nenhum leitor com sua franqueza.


2 comentários:

CAROLZINHA disse...

Sexo com rôbos? Nossa nunca tinha me passado uma coisa dessas pela cabeça. Sei lá, cada um sabe de si, mas deve ser o "ó" neh?!
Acho que qualquer prazer que isso possa trazer a pessoa que se utilizar desse método, não irá compensar a frustração de pensar: "Nossa, pra mim tirar o atraso só mesmo com um rôbo". Acho que não irá dar certo.É uma coisa forçada demais.

Danielle disse...

Bah, e a maciez do boneco inflável? xD

lol