10 de fevereiro de 2008

Feedback

Já há um pequeno espaço de tempo venho colaborando na construção deste blog com meu estimado :P colega Eduardo. E isso tem me trazido bons frutos: no âmbito social/afetivo, a melhora na interação social, na troca de idéias e no conhecimento do pensamento alheio ("Quem você mais ama, pode ser quem você menos conhece. Brothers & Sisters" =D); no campo pessoal, as reflexões e "pseudo-filosofias" que faço comigo mesma, o que tem me tornado uma pessoa melhor; na área profissional/estudantil, o desenvolvimento da minha expressão escrita, e por conseqüência, da oral. Hoje, revendo alguns posts e possíveis comentários (sim, eu vejo se alguém comentou post antigo!), recebi um comentário carinhoso pertinente ao post "Perdidos no Destino".

Não que eu sempre vá fazer isso, mas neste caso, achei interessante dar uma resposta ao Anônimo que comentou, e não só a ele, mas àqueles que porventura tiveram a mesma interpretação. Afinal, não é incomum falarmos com uma intenção e sermos interpretados com outra. E como o post falava da existência ou não do destino, o pensamento de cada um varia, acredito, conforme sua fé e religião a qual é devoto. Sei que política e religião são assuntos delicados, como diz a crença popular, mas com respeito, vamos longe! Desta forma segue, nestes termos, a resposta que dei:
.
"Respondo ao anônimo a minha crença no desentendimento do que realmente quis expor do que penso. Concordo com o livre arbítrio que temos nas nossas decisões, a questão é que o que a Autora acredita é que o destino FINAL é imutável, não o CAMINHO. É como se estivesse escrito num livro. Exemplos esclarecedores: se é pra ti conhecer uma pessoa, dia a mais, dia a menos, tu vais conehcer ela; se é pra ti ser professor, se é tua 'missão de vida' passar conhecimentos pra outras pessoas, tu podes fazer bacharelado, mas vais acabar tendo contato com a docência e vais OPTAR, por livre escolha, a ser professor.
.
O que eu quis dizer com destino imutável não foi para justificar futuros possíveis fracassos meus (Ex.: meu destino é ser pouca coisa mesmo; meu destino não é ser alguém na vida; o destino do país é ficar nessa droga mesmo; etc). Até poeque eu acredito antes na lógica do que no destino: se você faz por MERECER, você ganha; RARAMENTE, as coisas caem do céu.
.
Expus minha opinião baseada nas minhas crenças filosóficas e religiosas(no meu caso, a doutrina espírita, que afirma que encarnamos na Terra com um objetivo, um caminho já traçado); tendo em mente o confronto que poderia ter (como houve) com pessoas de diferentes opiniões, como o Anônimo. Apesar de lamentar seu anonimato - poderíamos enriquecer, repetir essa discussão -, e de ter me surpreendido com a sensação de sutil hostilidade em seu comentário, desculpo-me pelo acaso de não ter sido clara. Apesar da errônea, precipitada e com potencial ofensivo da conclusão sobre a minha pessoa, fico feliz pelo comentário anônimo pelo interesse no debate. :P"
.
Não acredito que minhas opiniões sejam imutáveis. Eu costumo dizer que "posso até concordar contigo, contanto que me convenças muito bem, com um ótimo argumento!". Daí a produtividade em ser contestada - por mais que, honestamente, seja chato pra qualquer um. Mas ainda, sim, produtivo. Às vezes, tenho dificuldades em me expressar, também.
.
Aliás, falando em opiniões, disse uma vez Rousseau algo do tipo "Posso discordar de tudo que falas, mas defenderei até a morte o direito de expressar-te!". Bom, eu não sei se ele era tão desprendido da vida ou se era galo mesmo a ponto de "pôr o seu na reta" por suas ideologias, porque falar é fácil. Dificilmente, se eu estivesse sob um regime de ditatura militar, vendo um colega querendo manifestar-se, gritaria 'ei, o querido quer falar! ouçam-no, ele é galo!', pra levar pipoco na cabeça. Mas sou totalmente favorável à liberdade de pensamento, e parcialmente, a de expressão (quando a expressividade ultrapassa o limite do respeito). Mas ainda somos livres pra pensar e faltar com respeito a todos em nossas cabeças! lol
*~*~*~*
Aproveitando a deixa do Eduardo (post do lula molusco), faço uma breve homenagem comparatória ao seu novo corte de cabelo, que me surpreendeu. :P Alguns personagens com os quais relacionei o novo penteado:

Tá sejamos mais realistas, hehehe:

.
Dá-lhe, Terror! (é o seu apelido, não uma indireta :D)
.
A Autora assume que pensava em fazer mechas claras (louras ou acobreadas) em seu cabelo. Mas vai que dê algo errado? O Autor terá possibilidade de obter sua revanche... É melhor optar pelo seguro, hahahaha =P

4 comentários:

冬天。。。 disse...

ei! meu penteado (que não penteado, pois nem dá pra passar pente) não é novo! eu sempre raspo o cabelo quando ele começa "se manifestar" demais (de 2 em 2 meses). Agora quero saber de onde saiu essa idéia de Megaman??? eu??? fala sério! hahaha prometo escrever futuramente sobre minha visão de estética pessoal. :D

carolzinha!! disse...

Não li o primeiro post a respeito do assunto, li apenas esse e minha opinião é a seguinte: Estudo a doutrina espírita a mais ou menos 10 anos e não li em lugar algum que nosso destino jah esteja traçado.0 que nós temos é um plano PRÉ-ESTABELECIDO feito antes de reencarnarmos.Se vamos cumpri-lo ou não é outra história.
É fato que recebemos de nossos amigos espirituais inspirações e incentivos a cumprir o que planejamos, mas isso não significa qua vamos segui-los, acima de tudo temos livre-arbítrio.
Outro techo que me chamou a atenção foi "o destino final é imutável, não o caminho", bonito, bem escrito, mas PRA MIM não é verdadeiro.
Se o destino final é imutável, onde está meu mérito nas minhas conquistas?
Se eu estou destinada a ser médica e não tiver nenhuma vontade de estudar, o diploma vai cair no meu colo? Ou vai me surgir inexplicável vontade de cursar medicina?
Como disse anteriormente, recebemos inspirações e incentivos a fazer o que planejamos, mas nenhuma inspiração será mais forte do que nossa vontade.
Sei que Deus está no comando de tudo,mas ele nos deu livre-arbítrio, portanto nosso destino está em nossas mãos.
E como tu citou o espiritismo, vou pôr um trecho escrito por Chico Xavier, que lembrei quando li o post:



(...)Portanto, teu destino está constantemente sob teu controle.
Tu escolhes, recolhes, eleges, atrais, buscas, expulsas, modificas tudo aquilo que te rodeia a existência.
Teus pensamentos e vontades são a chave de teus atos e atitude...
São as fontes de atração e repulsão na tua jornada.
Antes de tudo, analisa e observa.
A mudança está em tuas mãos
Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo,
qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim.

Luiz disse...

Tenho acompanhado as postagens, mas sem tempo de comentar por vezes...mas concordo totalmente com carol que acabe de comentar: pura filosofia espírita a qual o dono do blog bem sabe que estudo há muitos anos...
Somos donos do destino, que ja estava pré estabelecido...e isso se chama "livre arbítrio". Temos a reencarnação para, caso nao consigamos cumprir os objetivos nessa existência...conseguirmos em outra.
Além disso...todos nós já tivemos a famosa sensação de "de jàvú" tipo "essa parada já me aconteceu!!!" tenho a versão cientifica pra isso (que estudei na medicina) e a versão espírita (a qual acredito) que explica que esses fenomenos são lembranças da alma, dizendo que estamos no caminho correto, indo de encontro ao destino pré extabelecido no além...ou seja... de jàvú significa que estamos indo no caminho traçado por nos mesmos pra nossa vida...seja bom ou mal...pois tudo é evolução e aprendizado....
Recomendo todos os livros do Chico psicografados por André Luiz

Carolzinha disse...

Po que não há novos post´s?
Cadê a imaginação dos meu autores preferidos?