23 de janeiro de 2008

Eu sou a Lenda

- "My name is Robert Neville. I am a survivor living in New York City. I will be at the South Street Seaport everyday, at midday, when the sun is highest in the sky. "


Começo o post com um alerta: caso estejam num momento delicado, ou emocionalmente fragilizados, não assistam esse belo filme. Explico: desde que vi "A vida é bela" não sentia vontade de chorar no cinema. (é, eu chorei quando o Roberto Benini deixa o filho dele... e dai? qualquer machão chora!). Se eu não estivesse morto por dentro, teria derramado alguma lágrima hoje...

Bem, para aqueles fortes e durões (ou duronas) recomendo o filme. Ele não é muito profundo em termos de reflexões, mas para quem gosta de passar alguns momentos de tensão, ele é um prato cheio. A única coisa na qual consigo extrair para refletir é sobre o limite da sanidade em situações de solidão como a que o protagonista passa.

Confesso que muitas vezes já imaginei como seria ficar sozinho, com uma cidade inteira vazia, sem restrições ou regras a seguir... Sei que muita gente já fez esse exercício mental numa esfera mais limitada: quem nunca pensou como seria ficar no shopping após o expediente comercial? com todas aquelas lojas bacanas para fuçar e brincar com o produtos? ou simplesmente começar a cantar no meio da praça de alimentação? Pois é, eu nunca mais vou fazer esse tipo de viajem depois de ter visto o filme...


No mais, o único ponto "fraco" no filme são os "zumbis" que embora bem feitos, poderiam ter sido interpretados por atores e não modelos digitais.

Dessa vez o Autor faz das palavras do protagonista as suas: "My name is Robert Nevile. I am a survivor living in New York City. I haven't seen another person in three years. If there is anybody out there. Anybody. Please."

2 comentários:

Danielle disse...

Ah, pára. Essa coisa de 'homem não chora' é balela. É tão fofo! Onnnn :3 hahahaha! Mas hein, morto por dentro? Explique-se.

Viver sozinho sme poder encher o saco de alguém perde toda a graça :D Bah, não sei se é do teu tempo a loja da SuperFesta, do Praia de Belas. Me lembro que era tri, tinha uma estação de recreações infantis: era o lazer da garotada ir pra SF enquanto as mamães faziam compras! Eu não me desgrudava da minha respectiva, pq tinha um terrível medo de ser abandonada. Bah, eu era sequelada. Se eu ficasse sozinha na praça de alimentação, a primeira coisa que faria, seria dar uma de Homer Simpson: botar a boca embaixo do "negocinho por onde sai o sorvete" e mandar ver! Nhami :D

Nesse filme, o protagionista é o Will Smith? Aquele outro filme dele, que todo mundo chorou, "Em busca da Felicidade", eu só me emocionei na parte que ele consegue o emprego e se segura todo pra não chorar. É, não chorei às ganhas, mas foi emocionante. Incrível como, apesar de ser 'chorona-manteiga-deretida', eu não choro por qualquer coisa.

Ah, se o zumbi fosse o Julian
McMahon...

Thata disse...

Queridão...estreia hj (sexta) o filme do nicolas cage...qdo nós vamos? bjokas