25 de janeiro de 2008

"No Pain, No Gain"



Pra quem desconhece, a máxima acima é conhecidíssima no meio fisiculturista (sim, falo dos "Zé maromba"), e passa a idéia de que sem dor, não há ganho, não há sucesso. De fato, faço musculação e, por experiência própria, se formos falar em hipertrofia (ficar musculoso, "porradinha"), a afirmação é verdadeira. Uma rápida explicação: pra inchar o músculo, ele deve ser estimulado com muita carga; muito esforço, implica dor posterior e durante o treino; se o cara mantém uma rotina de treino, o músculo sabe que será exigido novamente, e pra suportar esse esforço, ele cresce.

Após a breve introdução, afirmo:
"O valor que damos à conquista é medido através da dor que ela causou."

Não só no meio estético, em tudo na vida. É comum ouvirmos "Como custou-me passar naquele concurso!", "Não sabes o sacrifício que é a gravidez!", "Pra chegar até onde cheguei, comi o pão que o diabo amassou", "Fiquei até quatro horas da matina estudando!", entre outros lamentos. Me lembrei disto, pois ontem visitei a dona da academia que freqüento, que deu à luz na segunda-feira a seu pequerrucho fofinho. O procedimento utilizado foi cesariana, mas ela preferia parto normal à primeira opção. Por que sofrer à toa? Porque glamourizamos a dor. E por quê?

Acredito que pra chegar ao sucesso, algum sacrifício ou alguma dor será "cobrada". E quanto maior for a dificuldade do esforço, do investimento, mais intensos serão os parabéns e louros que o vitorioso ganhará. Creio que apesar das dores do parto, das noites em claro, dos foras levados, levar a dor a sério torna-nos mais infelizes. O bom é tirar proveito do que ela proporciona, ver o lado bonitinho da história. Eu, que já me acostumei à dor muscular, fico até curtindo ela, hehe.
Ah, é a minha estréia no blog! Quem vos escreve não é o Eduardo afeminado (apesar de não ter comentado sobre os colírios com perninhas que rondam a academia, a imagem do gostosão ali em cima poderia gerar equívocas interpretações sobre ele, eheh), é a Dani. O prazer é meu, e seu também. =P


A Autora está sentindo dores musculares irritantes, mas não quer ter orgulho disso, porque sabe que não há motivo racional para tanto, uma vez que a fofa não é masoquista. Ela terá orgulho dos resultados, não da dor. A Autora ansiava muito imitar o Autor nessa "balaca" de expor um último comentário sobre sua postagem, hahaha!

4 comentários:

acabouonescau disse...

Pois confesso que senti uma "invejinha"... eu na minha primeira tentativa de adquirir algumas curvas no corpo nao aguentei mais de duas semanas de dor e desisti totalmente...
Quem sabe na proxima tentativa eu tente "curtir" a dor e mentalizar (eh assim que escreve???? tou esquecendo o portugues!!!) "no pain, no gain, no pain, no gain, no pain, no gain...
Amanha ate vou fazer um levantamento de peso com minhas criancas....

E vou confessar... cada post que eu faco eu tenho vontade de colocar uma nota da autora tb... hahahhaha...

冬天。。。 disse...

Eh! Que legal, é a primeira vez que comentou um post no blog que não foi escrito por mim! Vcs não imaginam como estou emocionado! hehe Ah, texto senciocional da Dani, agora vou ter de me puxar para fazer textos que estejam à altura dos da companheira de blog! :D Quanto à dor glorificar a vitória... concordo que valorizamos muito essa questão. No entanto não devemos perder de vista que nosso objetivo não é A dor e sim os resultados.

Profeta disse...

Na questão da gravidez eu não concordo, explicarei o porque.
Sabe porque as mulheres preferem parto normal? não é por causa de que elas curtem dor, mas é que no parto normal, as coisas voltam para o lugar mais rápido, a recuperação tbm é mais veloz, do que se for sesária.
bjs^^

Inochi disse...

*só leu o título desse*

Tu escuta MALICE MIZER, né? X3